China reprime grandes empresas de tecnologia com novas medidas anti-monopólio

8 de fevereiro de 2021 0 120

Novas regras proíbem os sites de comércio eletrônico de obrigar os vendedores a usar seus serviços.

A China está reprimindo os grandes conglomerados de tecnologia ao endurecer suas diretrizes antimonopólio para serviços de pagamento digital e pela Internet. As novas regras impedem as empresas de forçar os vendedores a escolher entre os principais jogadores online, uma prática comum no país, relata a Reuters .

As diretrizes são destinadas a pesos pesados ​​chineses, incluindo provedores de comércio eletrônico como Taobao e JD.com do Alibaba Group e serviços de pagamento móvel como Alipay do Ant Group ou WeChat Pay da Tencent. De acordo com o órgão de fiscalização da concorrência do país, a repressão segue-se a relatórios crescentes de comportamento antimonopólio online, que vê a China lutando com questões semelhantes às dos EUA em torno do crescimento desenfreado das grandes tecnologias.

O regulador também impedirá as empresas de fixar preços, restringir rivais e usar discretamente seus dados e vantagens de algoritmo para explorar o mercado. Em última análise, o plano é “interromper os comportamentos monopolísticos na economia de plataforma e proteger a concorrência leal no mercado”, afirma a Administração Estatal de Regulação do Mercado em seu site.

As regras consolidam um projeto de lei emitido em novembro e se baseiam no escrutínio mais amplo do regulador do setor de tecnologia. A reversão da política da China em relação aos gigantes da tecnologia locais ganhou notoriedade nos últimos meses, quando ordenou que o bilionário Jack Ma reduzisse os planos de expansão de uma empresa afiliada. A Ant Group, subsidiária da Alibaba de Ma, foi instruída em dezembro a reinar em suas ambições de expandir além dos pagamentos para empréstimos, seguros e gestão de patrimônio.

Alguns dos aplicativos em questão já estão proibidos nos EUA, por meio de uma ordem executiva assinada pelo ex-presidente Donald Trump no auge da guerra comercial contra a China. A Índia também bloqueou um total de 59 aplicativos chineses na sequência de uma disputa territorial com a China.

Notícia