Espera-se 25 bilhões de dispositivos conectados até 2021, graças à revolução da Internet das coisas

30 de abril de 2020 0 120

Com o Internet das Coisas (IoT) que se espera tornar mais popular nos próximos anos, a empresa de pesquisa de mercado Gartner publicou os resultados de um estudo que afirma que o número de dispositivos conectados em uso chegará a impressionantes 25 bilhões (2.500 crores) em todo o mundo até 2021. De fato, até o próximo ano, estima-se que o número atinja 14,2 bilhões (1.420 crores), segundo o relatório.

Intitulado “Principais tendências e tecnologias estratégicas de IoT até 2023” , o estudo enfatizou a necessidade de uma estrutura de governança que assegurasse um comportamento apropriado na criação, armazenamento, uso e exclusão de informações relacionadas aProjetos de IoT daqui para frente.

De acordo com Nick Jones, vice-presidente de pesquisa da Gartner, “a IoT continuará a oferecer novas oportunidades de inovação nos negócios digitais para a próxima década, muitas das quais serão possibilitadas por tecnologias novas ou aprimoradas” .

Mais de 90% dos indianos querem dispositivos IoT em casa: Tata Communications>

Até 2023, espera-se que novos chips para fins especiais reduzam o consumo de energia necessário para executar uma rede neural profunda (DNN), permitindo novas arquiteturas de borda e funções DNN incorporadas em terminais de IoT de baixa energia, segundo o relatório. Isso oferecerá suporte a novos recursos, como análise de dados integrada aos sensores e reconhecimento de fala, incluídos em dispositivos de bateria de baixo custo.

“Atualmente, a maioria dos dispositivos de endpoint da IoT usa chips de processador convencionais, com as arquiteturas ARM de baixa potência sendo particularmente populares. No entanto, conjuntos de instruções tradicionais e arquiteturas de memória não são adequadas para todas as tarefas que os terminais precisam executar ” , disse Jones. “Por exemplo, o desempenho dos DNNs geralmente é limitado pela largura de banda da memória, e não pelo poder de processamento” , acrescentou.

Com entradas do IANS

>

Notícia