O Google afirma que desativará a Pesquisa na Austrália se for forçado a pagar por notícias

22 de janeiro de 2021 0 588

O porta-voz da empresa fez a declaração em audiência no Senado.

O Google está em desacordo com o governo australiano desde que este começou a trabalhar em um código de conduta obrigatório que exigiria que o Facebook, o Google e outros pagassem aos meios de comunicação para usar seu conteúdo. Agora, de acordo com o The Sydney Morning Herald , esse gigante da tecnologia iria tão longe quanto deixar o país se for forçado a pagar por notícias. Mel Silva, diretor administrativo do Google no país, disse ao Senado em uma audiência: “Se esta versão do código se tornasse lei, não nos daria nenhuma escolha a não ser parar de disponibilizar a Pesquisa do Google na Austrália”.

As autoridades do país estavam negociando um acordo que tornaria os pagamentos voluntários. No entanto, depois de ver o impacto da pandemia nas receitas publicitárias da indústria de notícias, o governo mudou seus planos para tornar os pagamentos obrigatórios. Como resposta, o Google publicou uma carta aberta em agosto de 2020, alertando os usuários que a busca gratuita e os serviços do YouTube estão “em risco” no país se o governo implementar a lei proposta. A gigante da tecnologia também abandonou seus planos de lançar um News Showcase com curadoria na Austrália.

Quando questionado sobre a declaração do Google, o primeiro-ministro Scott Morrison disse: “Pessoas que querem trabalhar com isso, na Austrália, são muito bem-vindas. Mas não respondemos a ameaças ”. Silva nega que sua declaração tenha sido uma ameaça. “É uma realidade”, disse ela, esclarecendo que puxar a Pesquisa no país é o “pior cenário possível”. Ela disse que fazer pagamentos a agências de notícias pelo conteúdo prejudicaria os negócios do Google e que a proposta “estabeleceria um precedente insustentável para [seus] negócios e a economia digital”. Ela acrescentou: “Não é compatível com o funcionamento dos mecanismos de pesquisa ou com o funcionamento da Internet”. Em um post publicado no blog da empresa, ela disse que está “comprometida em alcançar um código viável e ver um caminho claro para chegar lá”.

Além do Google, o Facebook também se opôs aos pagamentos obrigatórios desde o início. A rede social não ameaçou deixar a Austrália caso a proposta virasse lei, mas não poderia mais oferecer novidades como produto.

Google Notícia