O sindicato do Google registra a primeira reclamação sobre supostos abusos trabalhistas

5 de fevereiro de 2021 0 690

Os trabalhadores contratados foram supostamente proibidos de discutir o pagamento.

O recém-formado Sindicato dos Trabalhadores do Alfabeto não está perdendo tempo desafiando o gigante da tecnologia sobre supostos abusos trabalhistas. A Bloomberg relata que o sindicato entrou com uma queixa do National Labor Relations Board acusando o parceiro do Google, Adecco, de silenciar ilegalmente trabalhadores contratados. A gerência de um data center do Google na Carolina do Sul supostamente proibiu a equipe de discutir salários, enquanto a técnica Shannon Wait disse que ela foi suspensa depois de postar no Facebook que havia entrado para o sindicato para tratar do tratamento inadequado dos trabalhadores contratados.

Wait disse que a gerência não apenas a suspendeu um dia após a postagem, mas a estava investigando como um “risco à segurança”.

Pedimos um comentário à Adecco e à Alphabet.

Esta é a primeira reclamação formal do Sindicato dos Trabalhadores do Alfabeto e reflete a abordagem do grupo para exigir mudanças. Em vez de pressionar por uma negociação coletiva, que não cobriria os trabalhadores contratados pela Adecco, o sindicato está usando reclamações e protestos para pressionar o Google a abordar questões trabalhistas.

Essa pressão só tende a se intensificar. Os sindicatos do alfabeto em todo o mundo formaram recentemente uma aliança para resolver questões que envolvem coordenação global, como o tratamento supostamente inadequado de moderadores de conteúdo. Os trabalhadores acusaram o Google de estourar sindicatos e de tentar impedir a ação coletiva, mas qualquer tentativa futura poderá enfrentar oposição mais dura.

Google