Reino Unido investigará o plano do Uber de comprar o rival britânico Autocab

30 de janeiro de 2021 1 641

Ele examinará se existe o risco de uma “redução substancial da competição”.

Em agosto de 2020, o Uber anunciou que compraria uma empresa britânica que se posicionou como a resposta da indústria de táxis para o recebimento de carona. Hoje, o regulador de concorrência do Reino Unido disse que examinaria o acordo proposto e seu impacto no cenário comercial. Em um comunicado , a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA) disse que iria verificar se o negócio causaria uma “redução substancial da concorrência”.

A Autocab, que fornece equipamentos de táxi desde 1991, construiu a plataforma iGo Everywhere como rival do Uber e do Lyft. A plataforma de agendamento baseada em nuvem permitiu que empresas de táxi locais colocassem seu logotipo em um aplicativo feito pelo Autocab e comercializassem seus serviços como um serviço de compartilhamento de caronas. Fizemos o perfil do Autocab em 2017 , e a empresa deixou claro que sua intenção era construir uma rede em todo o Reino Unido de empresas de táxi locais. 

Quando o acordo foi anunciado, o Uber disse que iria expandir sua pegada de caronas compartilhadas em partes do Reino Unido onde ainda não havia entrado. “Por meio do mercado iGo da Autocab, o Uber será capaz de conectar [seus] passageiros com operadoras locais que optam por fazer a reserva.” Em troca, esses jogadores locais seriam capazes de se conectar à plataforma do Uber para acessar “oportunidades de receita adicional”, “como entrega”. 

Na ocasião, Uber disse que a empresa permaneceria independente com “uma diretoria própria, focada exclusivamente em fornecer tecnologia para a indústria de aluguel de táxis e particulares em todo o mundo”. A preocupação, no entanto, é que a rede iGo (que o Uber descreveu como um “mercado”) seja incluída na rede do Uber. O CMA já iniciou a primeira fase de seu processo e abriu sua caixa de correio para comentários públicos antes de decidir se continuará com sua investigação em ou antes de 26 de março de 2021. 

Notícia